Em Tiradentes, Alvaro Dias defende o fim dos privilégios e uma reforma tributária ampla

0
845

O senador Alvaro Dias foi um dos principais convidados do evento Conexão Empresarial, que em sua nona edição, aconteceu neste ano na cidade mineira de Tiradentes, na última sexta-feira (15). Falando a mais de 500 convidados, Alvaro Dias, candidato a presidente pelo Podemos, defendeu o fim de privilégios para autoridades (com a extinção, por exemplo, do foro privilegiado), e criticou a forma como o presidente Michel Temer dirige o país nas questões fiscais.

No seu pronunciamento, Alvaro Dias afirmou que há uma ligação entre Tiradentes, líder da Inconfidência Mineira, e o momento atual do país por conta da corrupção e dos altos impostos que estão sendo cobrados hoje. “Isso é um exemplo do que ocorria quando Coroa Portuguesa exorbitava na cobrança e obrigou Tiradentes a liderar aquele movimento de revolta. Hoje, estamos vivendo o mesmo cenário: corrupção e exploração”, disse o senador em referência ao “quinto do ouro”, um imposto que a Coroa cobrava dos mineradores e correspondia a 20% do total do ouro extraído.

Alvaro Dias também condenou o sistema de “conluio partidário” e analisou que foi isso que provocou o descrédito dos partidos e políticos investigados pela Lava Jato. “Os governantes deveriam pedir perdão ao povo brasileiro pelo fracasso rotundo que levou à miséria milhões de pessoas”, disparou.

O senador avaliou ainda o quadro econômico do Brasil como dramático, porque “uma minoria assalta o poder e explora o esforço coletivo de trabalhadores e empresários para preservar seus privilégios”. Para ele, a mudança desse quadro passa pela refundação da República, sua principal bandeira, e diz que isso só é possível com uma mudança no “andar de cima”.

Legendas

O pré-candidato à Presidência da República também afirmou que o Brasil tornou-se “uma fábrica de siglas alimentada pelo fundo partidário”. Ele defendeu que o número de partidos representados com mandatos eletivos seja reduzido.

“Não é extinguir partidos, mas sim orientar no sentido de que normas impostas obrigue eles a obterem um percentual de votos que os autorizem a representar a sociedade. Então, nós imaginamos entre 4% e 5% de votos nacionais distribuídos em, pelo menos, nove Estados para que o partido se credencie a representar a sociedade. Isso vai reduzir o número de partidos no Congresso”, declarou.

Com uma candidatura de centro, Alvaro Dias afirmou que existe um esforço, especialmente de alguns líderes políticos, com o intuito de diminuir o número de candidatos dessa linha política.

“O nosso sistema fracassou pelo conluio partidário, esse presidencialismo de coalização. É o fracasso dos governos. Aliás, os governantes brasileiros deveriam pedir perdão aos brasileiros pelo fracasso rotundo que levou à miséria milhões de brasileiros. O principal desafio é derrotar o descrédito da população (com políticos)”, afirmou.

O senador ainda defendeu a redução da carga tributária e o corte de privilégios de autoridades.