O desafio do PNE: garantir mais recursos e melhorar a gestão da educação

montagemOs investimentos do País em educação não estão crescendo e são insuficientes para melhorar a qualidade e a cobertura do ensino; a gestão no setor é falha e a distribuição dos recursos desigual e injusta; não são vistas no horizonte ações vigorosas para o combate à ineficiência e à corrupção na área educacional. Esses e diversos outros problemas que impedem a melhoria da educação no Brasil foram apontados pelos especialistas e profissionais da educação que participaram da audiência pública na manhã desta terça-feira, no Senado, para debater o Plano Nacional de Educação 2011-2020. Os quatro especialistas do setor educacional deram sugestões para que o PNE possa cumprir com as metas que estão postas no projeto. O senador Alvaro Dias, relator do PNE, destacou que os argumentos e números apresentados na audiência mostram que há uma histórica inversão de prioridades no País. O senador lembrou que o Brasil está gastando R$ 28 bilhões com a organização da Copa do Mundo, valor que, se fosse gasto com educação, seria suficiente para garantir o ensino a todos os brasileiros na faixa dos quatro aos 17 anos. “Aqui na discussão do PNE não há a questão de governo e oposição, até porque estamos preparando um plano que será para o próximo governo, e é a população quem irá decidir quem será governo e quem será oposição”, destacou o senador. Alvaro Dias verificou que, pelos argumentos apresentados na audiência, há um nítido pessimismo no diagnóstico sobre o futuro próximo da educação no Brasil. O senador afirmou que, pela avaliação dos profissionais do setor educacional, está claro que há um confronto entre as metas ambiciosas do PNE e as suas possibilidades reais. “Vemos aqui que esse confronto é real: a ambição briga com a possibilidade. Sem que sejam ampliadas as fontes de financiamento e se não houver a melhoria da gestão deficiente no setor, não expandiremos a cobertura nem a qualidade da nossa educação”, afirmou Alvaro Dias. (Postado por Eduardo Mota – assessoria de imprensa/ Foto: Luiz Wolff)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.