Daily Archives: 9 de setembro de 2013

Leilão do pré-sal deve ser cancelado se espionagem dos EUA for confirmada

O senador Alvaro Dias(PSDB/PR) defendeu hoje, em plenário, o cancelamento da primeira rodada de leilões do pré-sal, marcada para o dia 21 de outubro, caso as denúncias de espionagem norte-americana na Petrobras sejam confirmadas. “Precisamos saber se houve mesmo a espionagem criminosa. Se o leilão for mantido, é uma sinalização do governo brasileiro de que não houve”, disse. O senador lembrou a tentativa frustrada da oposição de investigar a Petrobras: “A Petrobras é uma caixa preta. Eu não sei se essa espionagem é capaz de revelar as mazelas administrativas da empresa. Nós é que iríamos espionar a Petrobras, por meio de uma CPI, para revelar as falcatruas existentes, os escândalos de corrupção. Até hoje não os revelamos, mas a oposição protocolou 19 representações na PGR com denúncias em relação à Petrobras. Será que os Estados Unidos espionaram a corrupção da Petrobras? Nós não conseguimos espioná-la, com CPI, com requerimentos, com apelos”.(Postado por Cristiane Salles-assessoria de imprensa)

Investigação do esquema Delta/Cachoeira, desafio para novo procurador

charge-do-diaAo criticar, no Plenário, a falta de empenho da Justiça Federal em ouvir o empresário Fernando Cavendish, o senador Alvaro Dias lembrou apelo que fez ao novo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante sabatina na CCJ, para que desse prosseguimento às investigações do Ministério Público sobre o escândalo Delta-Cachoeira. O senador destacou que a Polícia Federal investigou Goiás, mas não extrapolou fronteiras no que diz respeito à corrupção na administração pública que envolveu diversos governos estaduais e municipais. “O esquema de desvio de recursos públicos liderados por Carlinhos Cachoeira, com a ajuda do empresário Cavendish e a sua construtora Delta, foi monumental, e gerou na CPI, além do pífio relatório oficial, diversos relatórios paralelos, que revelam o caminho das pedras para uma investigação de profundidade. O relatório paralelo da oposição mostra a rota do dinheiro público até a empresa Delta e dela para os coadjuvantes, laranjas, que distribuíam e lavavam o dinheiro”, disse o senador. Alvaro Dias alertou que o esquema está desenhado, e que cabe ao Ministério Público chegar às conclusões sobre os responsáveis por desvios que ultrapassam a casa do bilhão de reais. “Essa devassa precisa ser feita, e foi isto que reivindiquei ao novo procurador. O MPF precisará de um verdadeiro mutirão para o prosseguimento da investigação, mas é fundamental para o País que os responsáveis sejam identificados e julgados”, concluiu. (Postado por Eduardo Mota – assessoria de imprensa)

Cavendish, o dono da Delta, não foi “encontrado” para responder à Justiça

deltaNa sessão plenária do Senado, Alvaro Dias relatou resposta que recebeu da Justiça Federal do Rio de Janeiro à interpelação que impetrou para que o empresário Fernando Cavendish, dono da Delta (envolvida no caso Cachoeira de desvio de milhões em recursos públicos destinados a obras), fosse ouvido. O empresário, em entrevista à imprensa, afirmara que comprava “um senador por seis milhões”. Na sua interpelação, Alvaro Dias pedia à Justiça que ouvisse Cavendish sobre essa afirmação. A Justiça do Rio arquivou o pedido do senador justificando que o empresário não foi encontrado. “Essa justificativa está mais para um deboche. Ou será que Fernando Cavendish se esconde da Justiça usando aquela máscara que usam os vândalos das manifestações públicas? A Justiça do Rio poderia usar outra justificativa, mas dizer que não encontrou Cavendish é subestimar a nossa inteligência”, afirmou o senador no Plenário. Para ele, fica a impressão de que a Justiça jamais desejou dar prosseguimento à interpelação contra o empresário. (Postado por Eduardo Mota – assessoria de imprensa)

OAB declara apoio à PEC do senador Alvaro Dias

[fsg_gallery id=”14″]

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou hoje, por unanimidade, apoio à PEC 196/2007 do senador Alvaro Dias (PSDB/PR) que prevê voto aberto em casos de cassação de mandato. Convidado pela OAB, Alvaro Dias falou na sessão plenária da ordem para conselheiros de todo o país: “Os novos tempos exigem mudanças transcendentais. A juventude foi às ruas, escreveu um manifesto de protesto e o Congresso Nacional retirou das gavetas propostas que estavam guardadas há muito tempo, como a PEC do voto aberto. A OAB tem uma missão grandiosa neste momento da história”, disse. Alvaro Dias também falou que, para não haver suspeição de que há uma manobra protelatória, a Câmara precisa votar a PEC de sua autoria, já aprovada pelos senadores e  que tem condições de ser promulgada ainda em setembro. O senador também defendeu a preservação das instituições e o fim do sistema político de balcão de negócios: “Podemos discutir a reforma política, mas certamente a população deseja muito mais, pois quer a reforma da cultura política e a destruição do sistema de promiscuidade”, finalizou. O presidente nacional da OAB, Marcus Vinícius Coelho, defendeu o voto aberto como forma de os políticos prestarem contas à sociedade:” A PEC demonstra a preocupação do senador Alvaro Dias com a transparência. O senador sabe dignificar o Parlamento, com seu mandato ético e à altura dos grandes desafios. Faremos no site da OAB uma campanha pelo voto aberto, que é inerente à qualidade da democracia representativa”, disse o presidente (Postado por Cristiane Salles-assessoria de imprensa/ Foto: Luiz Wolff)

Operação da PF desbarata quadrilha que desviou milhões em recursos públicos

PF2A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta segunda-feira, a operação Esopo, para prender uma quadrilha responsável por desvios milionários no Ministério do Trabalho. Dezenas de mandados judiciais de prisão, busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Recife e Vitória. Entre os que tiveram prisão decretada, estão Paulo Roberto Pinto, ex-ministro interino do Trabalho, além de servidores do Ministério e da Funai. De acordo com as investigações, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), o Instituto Mundial do Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC), entidade com sede na capital mineira, realizou diversos convênios de fachada com o Ministério do Trabalho. Nos últimos cinco anos, segundo a PF, cerca de R$ 400 milhões saíram do ministério e foram parar nos cofres do IMDC. Somente em alguns contratos analisados foi descoberto um rombo de R$ 55 milhões no montante de R$ 79 milhões repassados pelo ministério. Leia mais aqui. (Postado por Eduardo Mota – assessoria de imprensa)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.